test

Paraná se destaca em segurança alimentar, revela IBGE

O estado do Paraná alcançou a segunda posição no ranking de segurança alimentar do Brasil, conforme indicam os dados recentes do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). A pesquisa divulgada nesta quinta-feira mostra que 82,1% dos lares paranaenses dispõem de alimentos em quantidade e qualidade adequadas, beneficiando aproximadamente 9,5 milhões de habitantes em 3,5 milhões de residências.

A nível nacional, 72,4% das moradias brasileiras possuem segurança alimentar, o que representa 78,3 milhões de domicílios e 151 milhões de indivíduos. Santa Catarina lidera o ranking com 88,8%, seguido pelo Paraná e pelo Rio Grande do Sul com 81,3%. Entre os estados mais populosos, Minas Gerais ocupa a sexta posição com 78,4%, São Paulo a oitava com 76,5%, Rio de Janeiro a décima com 76,2%, e Bahia a vigésima segunda com 60%.

O estudo considera segurança alimentar quando as despesas com comida não afetam outras necessidades vitais e não há preocupação iminente sobre a escassez de alimentos.

Esta é a primeira vez que o IBGE adota essa metodologia de classificação em conjunto com a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD) Contínua. Os dados anteriores, baseados na Pesquisa de Orçamentos Familiares (POF) de 2017-2018 e nas PNADs de 2004 a 2013, não forneciam uma análise por estados.

Comparativamente, a segurança alimentar nos lares brasileiros variou na última década, caindo de 77,4% em 2013 para 63,3% em 2018, e recuperando para 72,4% em 2023. A pesquisa também destacou que a segurança alimentar é maior em áreas urbanas (73,3%) do que em rurais (65,5%).

Quanto à distribuição por cor ou raça, 42% dos chefes de família são brancos, 12% pretos e 44,7% pardos.

A insegurança alimentar moderada ou grave atinge 9,4% dos domicílios, uma redução de 3,3 pontos percentuais em relação à POF 2017-2018, mas ainda 1,6 ponto acima da PNAD 2013.

O Governo do Paraná implementou várias iniciativas para promover o acesso a alimentos de qualidade, incluindo o programa Mais Merenda nas escolas estaduais, a instalação de Restaurantes Populares e Cozinhas Comunitárias, além do Compra Direta e do Banco de Alimentos Comida Boa. O Cartão Comida Boa também é distribuído a inscritos no CadÚnico, com verbas destinadas exclusivamente para alimentação.

Confira os resultados consolidados na tabela AQUI .

Compartilhe

Leia também