test

Gráfica do Paraná torna-se primeira a neutralizar emissão de carbono do processo de impressão

A Posigraf, gráfica do Grupo Positivo, atingiu a meta de se tornar uma empresa carbono neutro nas emissões de gases resultantes de suas atividades um ano antes do previsto, tornando-se a primeira gráfica do Brasil, nos segmentos promocional e editorial, a conquistar a neutralidade de emissão de carbono. A empresa utilizou a metodologia de compensação voluntária, sem gerar créditos de carbono comercializáveis em mercados tradicionais. As emissões diretas da Posigraf do escopo 1, que incluem as emissões lançadas à atmosfera do processo produtivo da empresa, foram compensadas na Mata do Uru, uma Reserva Particular do Patrimônio Natural (RPPN) localizada na cidade da Lapa/PR, com base no método do Programa Desmatamento Evitado, da Sociedade de Pesquisa em Vida Selvagem e Educação Ambiental (SPVS). Além disso, as emissões do escopo 2, que são as emissões de Gases de Efeito Estufa (GEE) liberadas na atmosfera devido ao consumo de eletricidade, também foram neutralizadas pela gráfica.

De acordo com a analista de Meio Ambiente da Posigraf, Thaís Milena de Araújo, a gestão das mudanças climáticas faz parte da estratégia de negócio da empresa, que investe recursos na conservação da biodiversidade há 21 anos, correspondendo a aproximadamente R$ 2 milhões no total. “Essa ação destina recursos principalmente para os serviços ecossistêmicos, que são os benefícios que a natureza nos fornece de forma direta e indiretamente, como polinização, regulação do ciclo da água e purificação do ar”, detalha Thaís, revelando que todas as ações desenvolvidas pela organização estão alinhadas aos acordos globais estabelecidos pelo conceito ESG – ambiental, social e governança.

A Posigraf tem um histórico de pioneirismo em questões ambientais. Em 2000, tornou-se a primeira gráfica do país a receber a certificação ISO 14001 e, em 2003, foi pioneira também em integrar a conservação da biodiversidade ao negócio, com a adoção da Mata do Uru. Em 2008, a empresa iniciou o monitoramento das emissões de GEE e a compensação através do Selo Carbono Zero. Na década seguinte, no ano de 2014, a gráfica começou a publicar a emissão de GEE no GHG Protocol e foi a primeira empresa brasileira a obter a Certificação LIFE. Apenas três anos depois, conquistou o Selo Clima Paraná. Em 2022, a Posigraf tornou-se a primeira gráfica do ramo de impressão de revistas e livros a ser Aterro Zero, eliminando o envio de resíduos para aterros sanitários.

A Posigraf alcançou com sucesso o objetivo de se tornar carbono neutro após um longo processo de monitoramento e redução das emissões de GEE. A empresa se empenhou continuamente em melhorar seus processos para cumprir esse compromisso climático fundamental. “Alteramos o tipo de matriz energética consumida em nossas plantas e, como resultado, fomos certificados pelo Instituto Totum por conta do consumo de energia proveniente de fontes renováveis. Em 2022, todas as nossas fábricas utilizaram energia produzida em fontes eólicas e hidrelétricas, o que nos rendeu o Certificado Internacional de Energia Renovável (I-REC)”, finaliza Thaís. Ela afirma ainda que a empresa reconhece a importância de reduzir as emissões de carbono em suas próprias instalações, mas também está comprometida com outras iniciativas que visam melhorar as condições climáticas para todos.

Cenário

De acordo com a Agência Internacional de Energia, as emissões de CO2 das energias fósseis atingiram um nível recorde em 2022, com um aumento de 0,9% em relação ao ano interior. O último relatório do Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas (IPCC) da Organização das Nações Unidas (ONU) indica que a Terra provavelmente vai atingir ou ultrapassar um aquecimento de 1,5°C nas próximas duas décadas, mais cedo do que o previsto em avaliações anteriores. Por esse motivo, a ONU ressalta que limitar o aquecimento a esse nível e evitar os impactos climáticos mais severos depende de ações realizadas ainda nesta década.

 

Crédito: Gilson Abreu/AEN.

Compartilhe

Leia também